asd

Oriente Médio – a tensão da vez

Parece que desde sempre, o Oriente Médio é uma região tensa. O que muda é apenas o conflito da vez. Janeiro de 2016 já começa pela tensão criada entre Arábia Saudita e Irã. Tudo por causa da execução do clérigo xiita, Nimr Al-Nimr, pelo governo árabe. No total, 47 presos foram executados acusados de terrorismo neste último sábado (02/01). Os países são inimigos históricos.

Enquanto isso, em algum deserto, o Estado Islâmico divulgou um vídeo mostrando a execução de cinco supostos espiões britânicos. No vídeo, eles xingam o premier David Cameron e ameaçam a Grã-Bretanha. O grupo terrorista é formado por sunitas radicais.

A semelhança nestes dois fatos é a pena de morte. Na Arábia Saudita, a execução de um criminoso é uma pena instituída pelo Estado, enquanto um grupo que se autointitula “Estado”aplica a mesma pena aos seus inimigos infiéis. Ambas as execuções podem ser a tiros ou por decapitações e tem as leis interpretadas do Alcorão como base para serem aplicadas.

espada
Muitas execuções na Arábia Saudita e do Estado Islâmico são através de decapitações.

O que aconteceu na Arábia Saudita vai aumentar ainda mais as tensões entre sunitas e xiitas no Oriente Médio. Isto afeta inclusive países que lutam contra o Estado Islâmico. Um deles é a Síria, cujo os Estados Unidos, o Irã e a Rússia divergem em relação ao governo do presidente Bashar al-Assad.

Afinal, quem é o extremista e radical nesta história toda? Para qual desses dois casos estes adjetivos se encaixam adequadamente? Estas são perguntas a se pensar muito bem antes de respondê-las. Talvez nem se achem respostas. Num mundo absurdo, as certezas podem ser perigosas. Podem causar mortes.

 

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp