today-is-a-good-day

Entenda a biologia dos testes para COVID-19

covid-19

Desde o início da pandemia, a ciência veio evoluindo um pouco a cada dia, buscando mais formas de entender sobre o novo coronavírus (Sars-Cov-2). Além da busca incessante por uma vacina, procuramos uma maneira de identificar se um indivíduo pegou a doença ou se já tinha contraído em algum momento. Hoje em dia, já temos testes para COVID-19 capazes de nos dizer se o paciente está infectado ou se já esteve.

Vamos entender a diferença de cada teste e como interpretar os resultados?

Qual a diferença entre PCR e Teste rápido?

Existem dois tipos de testes para a COVID-19:

  • PCR (teste molecular)
  • Sorológico (teste rápido)

covid-19

– O PCR é um exame molecular que usa a técnica chamada RT-PCR (sigla em inglês para transcrição reversa seguida de reação em cadeia da polimerase) e, através dele, é possível detectar uma parte do RNA do vírus que é específica dele, ou seja, é a identidade do vírus, por isso é considerado “padrão-ouro” e com pouca possibilidade de erro. O material é coletado por um cotonete inserido no nariz e garganta do paciente, onde nele é analisada a presença do vírus Sars-Cov-2 no organismo do paciente.

O período recomendado para ser feito esse teste é entre o 3º e 7º dias de sintomas, preferencialmente. Isso porque, neste período, a carga viral é maior. A partir do décimo dia de sintoma, a taxa de acerto do RT-PCR diminui.

– O teste rápido é um exame que busca a presença de anticorpos (produzidos pelo organismo para combater a doença), ou seja, eles avaliam se as amostras reagem aos anticorpos IgM e IgG. Esse exame pode ser feito com uma amostra de sangue, soro ou plasma sanguíneo, e pode ser achado em farmácias.

O período recomendado para detectar IgM é após o sétimo dia após aparecimento dos sintomas, já o IgG é após o décimo dia.

Mas, qual a diferença entre IgM e IgG?

Primeiro, deve-se entender que Ig é a sigla para Imunoglobulina, que nada mais é do que um dos tipos de anticorpos que o nosso corpo produz a fim de combater agentes externos (vírus e bactérias, por exemplo). Sendo assim, IgM e IgG são imunoglobulinas de diferentes classes (M e G).

IgM são os primeiros anticorpos que aparecem, o que indica que a doença ainda está na fase ativa ou que houve uma contaminação recente. Já o IgG, são anticorpos que atuam em uma fase mais tardia da doença, o que pode indicar uma contaminação passada ou que está no período final da infecção.

Obs: O Exame de Sorologia é parecido, mas é feito em laboratórios por meio da coleta de sangue do paciente e detecta os níveis de anticorpos IgM e IgG ou IgA e IgG no sangue, podendo assim dizer se o indivíduo já teve contato com o vírus e o sistema imunológico produziu os anticorpos contra a doença. É recomendado a partir do décimo dia após o aparecimento dos sintomas.

Interpretando resultados:

Se o RT-PCR der:

  • Positivo/Detectável: Significa que o paciente é um caso confirmado de COVID-19.
  • Negativo/ Não Detectável: Em teoria, indica que o paciente não possui a doença. Entretanto, há chance do resultado ser um falso negativo, sobretudo se o exame foi feito em período tardio ou precoce em relação ao recomendado. Dessa forma, se a suspeita persistir, é recomendável tentar fazer o teste rápido ou sorologia.

Se o teste rápido der:

  • IgM não reagente e IgG não reagente: Indica que o paciente não tem COVID-19, mas tem a possibilidade de falso negativo, então é bom ficar atento e em caso dos sintomas persistirem, repetir o exame.
  • IgM reagente e IgG não reagente: Indica que o paciente está com COVID-19 e está na fase inicial da doença.
  • IgM reagente e IgG reagente: Indica que o paciente está com COVID-19 e o organismo está lutando contra a doença, podendo até mesmo estar já na fase final da infecção.
  • IgM não reagente e IgG reagente: Indica que o paciente já teve COVID-19, porém não possui mais a doença, ou seja, uma infecção passada.

Vale lembrar que a ciência ainda não sabe se a imunidade contra o novo coronavírus é a longo prazo. Isso significa que mesmo que um indivíduo já tenha tido a doença e tenha anticorpos, não se sabe por quanto tempo estamos imunes a COVID-19.

Gostou das dicas de atualidades? Para ler mais matérias do Blog do QG, clique aqui!

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp