today-is-a-good-day

Os efeitos do álcool sobre o corpo humano

álcool

O álcool é uma droga lícita muito ingerida pelas pessoas, seja em datas comemorativas, festas ou até mesmo dias normais. Entretanto, muitos não sabem o que acontece no nosso corpo como consequência do álcool. Vamos descobrir como o álcool age no corpo humano?

Após ingerido, o álcool vai para o estômago e depois de absorvido, começa a viajar no nosso corpo por meio da corrente sanguínea.  Passa pelos órgãos e vai até o cérebro (o tempo dessa viagem depende de vários fatores, como volume de gordura corporal, quantidade de bebida ingerida, entre outros).

Por que ficamos lentos e sem conseguir falar direito?

O primeiro órgão afetado é o cérebro, e esse é um dos motivos principais pelo qual dirigir bêbado é proibido, porque ele altera nossos sentidos, percepção e comportamento. O que acontece é que o álcool começa a agir sobre os neurotransmissores (substâncias responsáveis pelas trocas de mensagens entre as células cerebrais), e especialmente sobre dois muito importantes: ácido gama-aminobutírico (Gaba) e a serotonina.

álcool

Antes de falar sobre eles, é necessário entender que existem dois grupos de neurotransmissores: excitatórios, quando estimulam a atividade elétrica do cérebro; ou inibitórios, quando a reduzem.

O etanol aumenta os efeitos do Gaba, que é um neurotransmissor inibitório, o que acaba causando os movimentos lentos e a fala enrolada que frequentemente é observada em pessoas alcoolizadas. Quanto mais Gaba, menos autocontrole. Ao mesmo tempo, ocorre a inibição de um que é excitatório, o glutamato, bloqueando seus efeitos estimulantes e levando a um tipo de retardamento fisiológico.

No mesmo momento que isso acontece, também há um aumento de serotonina, que é conhecida como hormônio da felicidade, porque regula o prazer e o humor. Acaba agindo de forma a deixar a pessoa eufórica, e as vezes até mesmo violentas.

Não é possível prever o que o álcool vai provocar em uma pessoa, porque ele acaba afetando o Sistema Nervoso Central de forma geral, mas normalmente, ou causa relaxamento e sono, ou euforia e agressividade.

E o fígado?

O fígado é responsável por metabolizar substâncias tóxicas lançadas na corrente sanguínea. Sendo assim, a duração dos efeitos do álcool no corpo depende de quanto tempo o fígado demora para metabolizar o álcool. Em média, o álcool demora 1 hora para metabolizar uma lata de cerveja, então se você beber 8 latas de cerveja, o seu corpo vai se recuperar em mais ou menos 8 horas. Isso ocorre por meio das células do fígado, os hepatócitos, que possuem organelas especializadas na quebra do álcool em substâncias menos nocivas à saúde, sendo essas o peroxissomo e o reticulo endoplasmático liso.

Eles, por sua vez, liberam enzimas para quebrar o álcool, como por exemplo a álcool-desidrogenase que transforma o álcool em etanal/acetaldeído, que é um produto intermediário e que consegue ser mais tóxico que o próprio álcool. O acetaldeído provoca uma série de sintomas, como a dor de cabeça latejante, náuseas, ânsia de vômito, entre outros (que são normalmente sintomas sentidos após o dia da bebedeira, causando a famosa ressaca).

E as diversas idas ao banheiro?

O álcool inibe a liberação do ADH (antidiurético), que é um hormônio que atua nos rins e é responsável pela reabsorção da água no nosso corpo, o que faz com que boa parte da água que é filtrada pelos nossos rins seja reabsorvida, resultando na formação de uma urina mais concentrada, com menos água. Ou seja, poupa a água para o nosso organismo, o que é inclusive uma estratégia de sobrevivência adotada pelos seres vivos terrestres. Entretanto, quando o álcool inibe esse hormônio, começamos a liberar essa água ao invés de reabsorve-la e, é claro, essa liberação acontece nas famosas idas ao banheiro milhares de vezes. Por isso, no dia seguinte, sentimos aquela sede absurda, que é consequência disso.

E o estômago?

O álcool também irrita o estômago, pois ocorre um aumento na produção de suco gástrico e secreções intestinais, além de um acúmulo de ácido lático no seu corpo. Tudo isso pode causar enjoos, náuseas e diarreias.

E beber em jejum?

É de fato o pior erro de todos, porque quando não temos comida na barriga, os efeitos do álcool acontecem muito mais rápidos, porque chega muito mais rapidamente no cérebro.

E afinal, álcool engorda?

Sim, o álcool é extremamente calórico e acaba de fato engordando, inclusive, aquela famosa “barriguinha de chopp” é real.

Por que grávidas não podem beber?

Na gravidez, o consumo de álcool pode causar a síndrome fetal alcoólica, que é uma alteração genética que provoca deformação física e retardo mental no feto.

Os efeitos do álcool quando “passamos do ponto”, dependem de pessoa para pessoa, da genética, da condição física e outros fatores, mas de forma geral, são eles:

  • Fala arrastada, sonolência, euforia, vômitos;
  • Diarreia, azia e queimação no estômago;
  • Dor de cabeça, dificuldade para respirar,
  • Visão e audição alteradas;
  • Alteração na capacidade de raciocínio;
  • Falta de atenção, alteração na percepção e coordenação motora;
  • Blackout alcoólico que são falhas de memória em que o indivíduo não se consegue lembrar do que aconteceu enquanto estava sob a influência do álcool;
  • Perda de reflexos, perda de julgamento da realidade, coma alcoólico.

Gostou? Para ler mais do nosso blog, clique aqui.

 

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp