asd

Por que vacinas demoram a ser criadas?

vacina

Atualmente, estamos vivendo um cenário de pandemia que aterroriza a população mundial e todos seguem aguardando uma cura e/ou uma vacina. Com isso, os cientistas já se adiantaram e avisaram que a vacina provavelmente demorará 18 meses ou mais para ser criada. Entretanto, poucos sabem que o tempo recorde de criação de uma vacina é de 5 anos, haja vista que normalmente o tempo de demora é de 10 anos. Ou seja, 18 meses é um tempo muito razoável quando comparado à realidade de demora da criação. Contudo, fica uma dúvida: por que demora tanto? Vamos entender?

Primeiramente, o que é uma vacina?

vacina

A vacina nada mais é do que um método preventivo, usada na profilaxia/prevenção. Ela funciona do seguinte modo: contém micro-organismos (vírus ou bactérias) mortos ou enfraquecidos (ou ainda toxinas produzidas por estes micro-organismos), ou seja, incapazes de nos transmitir doenças. Entretanto, tais antígenos, mesmo inativos, são reconhecidos pelo nosso corpo e o estimulam a produzir anticorpos, assim, nosso organismo produz células de memória que ficam no sangue e permitem uma resposta secundária. Então, se um dia aquele micro-organismo intruso vier te perturbar, você já terá um exército pronto contra ele.

As vacinas são o meio mais eficaz e seguro de proteção contra determinadas doenças. É a única ferramenta que consegue erradicar doenças infecciosas. 

Mas então, qual o motivo da demora na criação?

Até uma vacina ser usada pela população em todo o mundo, ela percorre um longo caminho. É necessário que ocorram muitos estudos, testes e ensaios clínicos, requer muito conhecimento, perícia e técnica. A necessidade dessa demora e cautela fica explícita quando pensamos que é uma dosagem única para bilhões de pessoas.

Vamos entender o passo a passo:

Depois de estudar a doença, entendê-la, descobrir o agente causador e estudá-lo a fundo, começamos a trabalhar na vacina em si. Um dos primeiros passos é neutralizar ou atenuar o agente infeccioso, seja um vírus ou uma bactéria, após a sua identificação e a sequenciação do seu genoma, que é um processo rápido. Depois, é preciso perceber se os microrganismos atenuados são suficientes para permitir a produção de anticorpos capazes de proteger contra a infeção. Essa tarefa já é mais complexa e demorada.

Há três fases na produção de uma vacina e cada passo requer autorizações de entidades internacionais. Era de se esperar que existiriam muitas regras para cada e qualquer ação que envolve essa delicada tarefa do campo de saúde, nada mais justo do que haver um protocolo rigoroso. Ocorrem os testes feitos em animais e, logo após, avança-se para a etapa seguinte, que são os testes no ser humano. Pode ser tudo diferente.

A primeira fase é despistar a toxicidade, qualquer efeito adverso e colateral. Isso pode demorar um ano, no mínimo, haja vista que a vacina tem efeito preventivo que dura a vida inteira e isso requer o descarte de qualquer sequela.

Na segunda fase, testa-se a eficácia, se possível em diversos laboratórios, em países diferentes, o que pode demorar mais de dois anos. Tenta-se perceber se há um aumento de anticorpos no sangue prontos a responder ao ataque do agente patogénico. São esses anticorpos que impedem a entrada do que é perigoso e danoso nas nossas células, ou seja, que fazem a vacina ter efeito.

A terceira fase é igual à anterior, mas em larga escala, com muito mais voluntários. Os ensaios clínicos demoram anos.

Além da necessidade de todas essas etapas, é preciso reforçar de que muito dinheiro é gasto no processo, o que faz ser mais lento ainda. E ainda tem que não acertamos de primeira, é um processo de erros e acertos, tudo que funciona assim acaba demorando.

E as vacinas para a Covid-19? Vão demorar?

Essa é uma situação diferente, que vai definitivamente bater o recorde de rapidez na criação de uma vacina. O esforço, os estudos, o dinheiro investido serão maiores e vai permitir uma rapidez. O prazo normalmente falado é de 18 meses, mas não tem como saber. O jeito é confiar na ciência e sua capacidade de nos tirar desse cenário.

Gostou? Para ler mais matérias do nosso blog, clique aqui.

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp